2021 começou mostrando que precisamos escolher entre ter um ano bem parecido com 2020 ou fazer algo diferente, buscar fazer o nosso melhor.

E no que diz respeito ao Festival da EV, o 1° do ano veio em formato de férias. Aí vieram parceiros querendo transformar nosso evento do coração em projeto. Resultado? Guardamos o chapéu on-line e os artistas toparam fazer o Festival sem receber – nem sequer tentamos receber. Estamos indo atrás de voos mais altos, acreditando que pequenas gotas, quando se juntam, fazem uma grande diferença.

Em fevereiro, então, tivemos Marcelo Cunha e Mara Débora, em um bate-papo que foi do plantio à moda sustentável, recebemos a exposição que esteve na Galeria na Rua em fevereiro, Harmonia, do artista plástico (que não se vê assim) Carlos Eduardo. Desta forma, firmamos parceria com a Galeria que fica em uma rua bem charmosa da Vila Adyana, aqui em SJC. E amigos/artistas/escudeiros queridos, Dois Rios, Fulano João, Virgílio Magalde, Tess Villa (eu:), contando a história do livro de Renata Oliveira, Divino, um burrinho diferente; também tivemos uma marchinha de carnaval de Alice Monteiro.

Já neste mês contamos com Léia Liporati, que já conhecia a casa chamada EV e Eliane Valentim, da feira de Ipanema/RJ, O Fuxico. Como artistas, mantiveram-se os fiéis escudeiros do nosso projeto de fevereiro em uma parceria incrível!!!

Nesses dois meses conseguimos fechar parceria com o espaço físico da Galeria na Rua, contudo, como a vida nos traz surpresas,  entramos em lockdown, mas diga-se de passagem, foi necessário.  Com isso chegamos no mês de março, portas fechadas, #fiqueemcasa instenso, mas também com a comemoração ao dia dos(as) artesãos(ãs) que, não dando ponto sem nó fazem coisas lindas para alegrar nossas vidas! …Será que a palavra “artesão” é a junção de artes + (m)ão? Tem quem diga que o significado da palavra seja “capacidade de fazer alguma coisa”, com origem no Latim…mas isso não vem ao caso pra nós porque o que vale é a capacidade que esses(as) profissionais têm de nos encantar.

E também o mês das mulheres, então pedimos que abram passagem porque teremos um poema de Renata Oliveira que fará brilhar no fim de março sua alma feminina. Somos gratos(as) por isso:

Bela é a sua fortaleza.

Admirável e detalhista.

Mãe, pai e amiga, para o que precisar, ela se adapta.

Ela é noite, ela é dia. 

Ela é trovoada, afago e harmonia. 

Sua essência não consiste em feminino ou masculino, pois ela é o vento e o moinho.

Tão perfeita em suas imperfeições, tão  completa em meio as suas  próprias  confusões. 

Pois a mulher é um ser gigante, pode ser vilã, mocinha, madura, plebeia ou rainha.

Mas sempre será no livro da vida, a eterna protagonista.

Feliz dia das mulheres!💖

                          Renata Oliveira.

Assim como o dia das mulheres não se encerra em um único dia, nossa força de vontade de renovar da Fênix não termina aqui e como nas histórias de Tess Villa (ou por ela contada), o fim apenas acontece como “num pó de pirlimpimpim esta história chegou ao fim, mas não fique triste não, guarde essa semente em seu coração.” Quais sementes? De força, de renovação, de união, de tentar fazer diferente apesar de todos os pesares!

Texto Tess Villa

Áreas de atuação: Educação, Artes, Empreendedorismo, Eventos, Coordenação, Bem-Estar

Poesia: Renata Oliveira

 Áreas de atuação: Estética, Artes Literárias 

Arte gráfica: @soujuoliveiraProjeto editorial: Tess Villa